Como saber se os recursos do Governo estão sendo bem investidos? Como selecionar o tipo de intervenção mais eficiente? Como medir o retorno para os beneficiários com a implementação de uma determinada Política Pública? Estas e outras questões foram tema do curso Avaliação Econômica de Projetos Sociais, que terminou nesta terça-feira, 5 de dezembro, com a formação de 30 servidores do estado.

Trazido para a SEFAZ por iniciativa da Subsecretaria de Planejamento e Orçamento (SUBPLO), com o apoio da Escola Fazendária, o curso da Fundação Itaú Social (gratuito, sem ônus para o estado) é focado em metodologias de avaliação de impacto e de cálculo do retorno econômico, com 54 horas de aulas expositivas e práticas.

“Nossa intenção é promover capacitações cada vez mais aprofundadas em metodologias e ferramentas do Ciclo de Planejamento para que servidores de todas as Secretarias do estado consigam desenhar melhores programas, monitorá-los com os indicadores adequados e realizar avaliações que consigam comprovar sua efetividade ou servir de base para seu aperfeiçoamento”, explica o superintendente de Planejamento da SUBPLO Rafael Abreu.

Para a aluna do curso Clarice Paiva, Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental da SEFAZ trabalhando atualmente na Secretaria de Transportes, o curso desenvolve no gestor um olhar mais aprofundado em relação a avaliações contratadas: “Conhecendo melhor a metodologia, podemos não apenas aceitar as propostas de avaliações externas, mas também contribuir com seu desenho e fazer uma análise crítica dos resultados”, afirma.

A próxima iniciativa da SUBPLO de buscar parcerias para capacitar servidores deve se concretizar no final de janeiro e início de fevereiro: uma série de workshops de avaliação de impacto oferecidos pelo Abdul Latif Jameel Poverty Action Lab (J-PAL), laboratório do Massachusetts Institute of Technology (MIT).